Desde:

Desde: 03 de Janeiro de 2010!

quinta-feira, 15 de abril de 2010

Finalista do Concurso de Postagens 4

Nome: Tay
Idade: 20
Blog/Site: http://sucrilhoseneuroses.blogspot.com/
Tema da Postagem: amor, conto, coragem
Postagem:

O Primeiro Quase Amor



'A boêmia é meu mau
E a minha estrada é dura
Nada do que eu digo é real,
Não tenho medo,
Sou impura'

"Tinha treze anos e toda a sorte do mundo que cabia no sorriso metalizado. Tinha os olhos de conquistadora do universo e as mãos ainda um pouco trêmulas de medo e timidez pelo primeiro-enfim amor.
Era a sua vez de tentar ser real, sua vez de largar os livros e tentar fazer um conto de fadas mais interessante, um conto de fadas onde a Cinderela tinha os cabelos encaracolados e o príncipe acabara de chegar na cidade, em um circo.
Passou a semana toda esperando o momento certo de se aproximar, assistiu a todos os espetáculos com a sede que só a idade lhe permitia, o via saltar de um trapézio ao outro e sonhava com a força que aquelas mãos poderiam ter, quando ao fim do espetáculo o seu príncipe virava palhaço ela se divertia por saber que ele, mesmo sem saber, já a fazia feliz.
Durou uns bons cinco dias os suspiros poéticos a procura da palavra certa e ela veio em uma tarde de matinê: queria uma pipoca e ele estava no comando do carrinho.
Um sorriso, um pedido e ela foi sincera de um modo que nunca mais soube ser: 'quero que você me beije'.
Quando viu já havia falado, ele não mais tão menino, tão diferente de todos os garotinhos ingênuos que ela conhecia soube o que dizer e talvez até já estivesse esperando por aquilo.
O espetáculo da noite prometia, ela se vestiu como se fosse para um casamento, colocou o melhor sorriso e deu mais brilho aos olhos agora cientes de que algo novo aconteceria. Vestiu-se de borboletas interiores e calçou sapatos delicados.
Ele estava esperando por ela atrás da lona, do lado do picadeiro, podia sentir o cheiro doce que vinha da barraca de churros e ainda o cheiro estranho de grama pisada e animais largados.
Só que ainda tinha o cheiro dele, o cheiro de algo errado, de algo diferente do que todas as amigas viviam, o cheiro que ela sentia sair de si e que queria se misturar ao cheiro dele, e o cheiro que mais tarde ela descobriria fazer parte de quase todos os beijos de 'amor', o cheiro de menta da bala que ele mastigava.
A puxou pelo braço sem pensar no hidratante que ela passara, havia preparado uns tijolos para que ela ficasse da altura certa e a beijou.
Ela distante do universo se deixou ficar nos braços até desajeitados dele, deixou que ele mordesse com jeito os lábios incertos, deixou que percorresse todo o rosto dando mínimos beijos e deixou até que as mãos dele a segurassem com força, porque ali ela finalmente começava a ser real."

Lindo demaaaais seu textinho!
Beijos e Parabéns!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Se você gostou, que tal deixar o seu comentário e me deixar com um sorriso no rosto?